sexta-feira, 8 de abril de 2011

Mar vermelho no Realengo

Hoje em dia, infelizmente, temos várias bombas-relógio em muitos segmentos da sociedade, prontas para explodir. O que antes parecia ser “coisa de americano” já chegou por aqui há tempos e nossas escolas estão com sérios problemas.

O respeito e a hierarquia foram para o saco, professor tem que pedir desculpas porque corrigiu a prova corretamente e deu nota baixa para o aluno, o bulying está solto e a todo vapor, é um tal de mostrar quem é mais bonita, mais gostoso, mais riquinho, mais machão, mais tudo, execram colegas ao vivo, pelo orkut, pelo facebook e outras mídias mais. E isso cria um problema danado na cuca da vítima, que pode ter reações inesperadas e explosivas.

A chance de você criar sujeitos que uma hora estouram é grande. Não sei se foi exatamente o que aconteceu lá, mas tem todo o perfil. Independentemente a qualquer providência quanto à segurança e outros balagandãs, seria melhor o pessoal começar pelo básico e voltarmos ao tempo em que respeito era coisa fundamental. Já seria um primeiro passo para irmos eliminando esses barris de pólvora ambulantes que pululam por aí …

3 comentários:

Mirian Martin disse...

Meu filho já passou por bullying e sei o quanto se sofre por não saber como lidar e, principalmente, pela inércia da escola em resolver isso - um pai não está dentro da escola para resolver o problema.
A hora que a coisa estoura de verdade, são coisas medonhas como essas eu acontecem.
Fiquei horrorizada quando a reação daquele menino saiu bombando no Youtube, praticamente incentivando as vítimas a revidar, e com muita violência, as intimidações. Logo em seguida acontece isso... Lamentável.

beijos.

Sentimental ♥ disse...

é complicado tentar entender ou pelo menos saber o motivo de tanta brutalidade, mas é fato q um pouco de caráter e personalidade fazem diferençan no resultado final, fato também q os fracos sofrem mais.
uma pena o q aconteceu.

Sayuri disse...

Deste lado do oceano passa-se o mesmo... as crianças já nem espaço têm para ser crianças...