terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Chuva - 2ª parte

- Carro novo?
- Mais ou menos. Já faz um certo tempo que eu comprei. Gosta?
- Quem não gostaria de um carro como esse?
- Fico contente que te agrada.
Ela olhou pela janela, o tempo se fechando, parecia que a chuva estava chegando. Tinha ouvido no rádio a previsão: o tempo iria mudar antes do final do dia. Olhou no relógio: três e meia.
Já ligara para Ana e pedira mil desculpas pela grosseria de abandoná-la no meio do almoço sem maiores explicações e com toda aquela indelicadeza. Recebeu uma bronca pelo celular, seguida de um "boa sorte" no encontro. Desculpou-se novamente e mais outra ainda na hora de desligar. Ana já estava acostumada com aquilo. Não fora a primeira vez e provavelmente não seria a última. Pelo menos enquanto o feitiço não acabasse.
Laura era uma mulher forte, ocupava um cargo de destaque numa empresa multinacional do ramo de cosméticos, admirada profissionalmente e dona de um charme capaz de arrasar quarteirão. Corpo esguio, alta, sempre elegante, um rosto de traços limpos e bonitos, influência da descendência mestiça, o pai brasileiro e a mãe chinesa. Fazia sucesso por onde passava e, diziam, poderia ter o homem que quisesse a seus pés, sem muito esforço.
Sofrera algumas desilusões com os seres do sexo oposto. A combinação de beleza e independência, o salário alto, as posições sempre firmes, tudo isso tinha seu preço: intimidava a grande maioria dos homens que estiveram a seu lado. Ana era a amiga inseparável, braço direito na empresa, colegas de escola, amizade longínqua e duradoura. Uma mulher simples e determinada, um leão na defesa dos amigos, mas totalmente sem vontade na hora de ir atrás de qualquer coisa para si mesma. Quando a dama de ferro se desarmava e precisava de colo, Ana era o porto seguro de muitas lágrimas e confissões. Laura tomou-a como a irmã que não pode ter, perda da qual nunca se refizera totalmente: três aninhos e uma doença fulminante! Adotou Ana assim que a conheceu na escola. E nunca mais a largou.
- Pensativa!
Laura voltou-se para dentro do carro.
- O que você disse?
- Que estás pensativa hoje!
Ela não respondeu. Voltou seu olhar para fora, acompanhando a paisagem. Adorava ver o mar! Sabia que ele escolhera aquele caminho porque ela gostava de olhar para o oceano, mesmo com o dia se enfeiando a cada minuto que passava. Poderia ter escolhido o túnel, mas preferiu o caminho a beira-mar, contornando a encosta de São Conrado.
Há quanto tempo não o via? Três, quatro anos? Será que era tanto assim? Forçou um pouco a memória, terminou por lembrar: tinham se encontrado rapidamente no aeroporto, ponte aérea, ela indo para São Paulo a negócios e aproveitando para visitar a família. Morava no Rio agora por causa do trabalho. Ele, chegando ao Rio para participar de um festival. Mal tiveram tempo de se falar, apenas um convite para um café e um beijo de despedida.
Conheceu Carlo numa happy hour no centro da cidade, quando ainda morava na capital paulistana. Iam em direção oposta, casa lotada, tentaram passar ao mesmo tempo por onde só havia espaço para uma pessoa. Enroscaram-se ali, riram da situação, acabaram ficando de pé, por mais de uma hora, conversando. Ele com o copo vazio e ela sem conseguir esvaziar o seu. Balançou logo que o viu, não conseguiu sequer disfarçar. Ficou mais perdida ainda por não estar acostumada com aquela situação. Afinal, normalmente era o representante masculino quem costumava perder o rebolado diante dela. Encontrou seu algoz, ali, de pé, no meio de um barzinho lotado no centro de Sampa. E se entregou, sem muita resistência.
Não acreditou em uma palavra do que ele dissera sobre o seu trabalho. Jamais um sujeito com cabelo curto, bem cortado, barba perfeita e aquele jeito sereno poderia ser o que ele dizia: cantor de rock! Quando lhe disse que era vocalista e tinha uma banda que costumava fazer cover do Whitesnake, ela não se conteve: “E você usa peruca para ficar mais parecido com o Coverdale?”.

continua no primeiro minuto da quinta, dia 29/01

22 comentários:

DESIRE disse...

Cá estarei para ler...
Beijos prometidos

Mai disse...

Tá...
pensei que tinha perdido uma parte porque devo ter perdido os 'amassos' do perfume com a 'poderosa' lá no restaurante...
Já estavam agora dentro do carro...
Vamos lá...
be continued...

Cansada de ser boazinha disse...

Aguardarei a continuação!!
Bjos gaúchos!

Escrevendo na Pele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Monday disse...

Mai

o restaurante talvez não fosse do estilo amassável ... rsss

Desire e Cansada

Falta pouco ...

Ma

Mando não ... rsss ...

MELISSA S disse...

Muito bom esse conto!!!!! Esses três pesonagens me lembram tantas pessoas... Quero ver a continuação!! Bjs

Monday disse...

Mel

Fez a festa no final de semana, hein, moça? rssss

Tempestade disse...

Estarei aqui acompanhando tempestivadamente hehehe

Beijos Tempestuosos!

Letícia disse...

E eu vou te pedir "Excuse me" pra copiar e depois ler tudo no papel. Porque fica mais arte, mais Monday.

Beijos.

A mulher das Pitangas.
Vou abrir uma quitanda. =)

Juliana disse...

Essa historia sim vai dar pano pra manga!
estou acompanhando e adorando!
esperando pelas próximas cenas!

A Senhora disse...

A síndrome dos olhos puxados... :)

Você acredita que eu conheço um cara assim, do jeito que você descreveu?

Beijinhos, querido.

Branca disse...

...dá uma aflição pra ler tudo rs.

Que delícia que é isso, o instante que sentimos que aquela pessoa vai mudar completamente nossa vida...pode durar muito, pouco, pode até nem durar rs, mas é uma delícia esse desconforto/excitação, essa expectativa...

Bom dia pra vc,
bjo carinhoso.

Mandy disse...

Adorei a continuação!!!

^^

Você escreve muito bem querido!!

BjO.

Cami disse...

Selinhos pra vc lá no meu blog!
Bjs

Fernanda disse...

Quero ser a Laura, algum dia da minha vida.
E obrigada pelo elogio lá no meu blog. Vc me deixou vermelha sabia? rs
Beijos

Sunflower disse...

Olha, moço, apesar de estar tudo, tudo muito corrido veio aqui e leio tudo assim que posso. E vou ter a cara-de-pau (surpresa pra ninguém) de te pedir que me mande o livro por email, que assim que eu folgar mais, leio tudo tudo e um outro tanto.

beijas

Naty Abacaty! disse...

Adorei o conto. Vou ser uma seguidora, rs.

Um abraço.

Tempestade disse...

Ei, Monday!
Meme pra você no meu blog!

Beijos Tempestuosos!

Monday disse...

Temp

só pra constar: vai ter chuva, mas não tempestade ... rsss

Le

depois de postar a terceira parte, eu te mando via email o texto todo, melhor que copiar ...

Ju

postei prosa ao invés de poesia para dar uma quebrada ... variar um pouco vai bem de vez em quando ...

Minha jovem Senhora

vc vai me matar, querida, mas eu vou postar o poema feito para o meu amor eterno de olhos puxados ... rsss ... poema que, aliás, foi composto no dia do meu aniversário ... que aliás, será sexta-feira que vem ... aquarianos, olé!

Branquinha

eu preferia postar tudo de uma vez, é menos cruel com vocês ... mas dizem que provocar faz parte ... rssss
quanto ao seu coment, realmente, essa expectativa, esse friozinho na barriga, de vez em quando deixa a gente louco mesmo ...

Monday disse...

Mandy

brigadim, moça! já te disse que entrei no seu blog só porque Mandy é parecido com Monday?

Cami

Toda vez que uma blogueira me avisa que tem selinhos pra mim, eu acho que vou ganhar beijinhos ... rsss

Fe

ser Laura tem seu lado bom, mas tem o contrapeso também, é bom não esquecer ...

quanto ao elogio, é só olhar no espelho, moça ... rssss

Monday disse...

Sunny Girl

pida, meu amor, pida que eu envio sem traumas ... rsss
e sem pressões. sei que velocidade por aí tá estourando radares ...

Naty

bem vinda, menina ... hum, abacate com leite e um pouco de açúcar: sou viciado nessa vitamina!

Le

eu tento passar lá mais tarde, agora eu vou levar a mama pra comer churrasco ... afinal, mama merece sempre do bom e do melhor, né? só de me aturar ... rsss

suavesencantos disse...

O primeiro encontro deles foi aquela coisa assim bem gostosa,marcante.
não sei se já te disse,mas vc escreve muito bem, de uma forma q nos prende a leitura,

bjos.